Cientistas descobrem como obter um diagnóstico precoce do câncer de pulmão

Resultado de imagem para cancer de ovario
Doença tem diagnóstico tardio, mas teste genético pode auxiliar o tratamento

O dia 8 de maio é o Dia Mundial de Combate ao Câncer de Ovário, data que alerta para a importância desse que é considerado o tipo mais agressivo dos tumores femininos. Mais de 6 mil casos são estimados para os anos de 2018 e 2019, segundo dados do INCA (Instituto Nacional de Câncer)¹. Por não apresentar sintomas em suas fases iniciais, grande parte das pacientes é diagnosticada nas fases mais avançadas da doença, o que dificulta o tratamento e torna esse o câncer com menor sobrevida na mulher.

Segundo a Dra. Angélica Nogueira Rodrigues, oncologista clínica e presidente do EVA (Grupo Brasileiro de Tumores Ginecológicos), um dos principais fatores de risco para o câncer de ovário é a obesidade, e é mais incidente em mulheres a partir dos 40 anos de idade, apesar de também ser identificado em pacientes jovens. “Entretanto, também existem fatores genéticos, como mutações germinativas nos genes BRCA 1 e 2, que estão associadas com o alto risco de desenvolvimento de tumores de ovário, por isso é importante que médico e paciente estejam conscientes da importância do diagnóstico precoce para o sucesso do tratamento”, explica a especialista.

Sinais e sintomas

Apesar de ser assintomático em estágios iniciais, o câncer de ovário apresenta diversos sintomas em fases mais avançadas, como dor e aumento do volume abdominal, perda de peso, fadiga, mudança no funcionamento do intestino e dor durante a relação sexual. Segundo a Dra. Angélica, vale salientar que esses sintomas podem ser causados por outras doenças benignas e até mesmo por outros tipos de câncer. No entanto, quando são causados pelo câncer de ovário, tendem a ser persistentes e apresentam uma alteração fora do normal, ocorrendo com mais frequência.

Se o médico identificar os sintomas e a paciente tiver histórico familiar, a maneira mais precisa de diagnosticar o câncer de ovário é por meio de teste genético. Os testes para a mutação nos genes BRCA 1 e 2 ganharam fama após o caso da atriz Angelina Jolie, que retirou os ovários e mamas devido ao histórico familiar e probabilidade de desenvolver tumores nesses órgãos.

É importante lembrar que ter a mutação nos genes BRCA 1 e 2 não representa um diagnóstico da doença, mas sim uma indicação de risco após uma análise hereditária. “O aconselhamento genético passa por etapas – normalmente, é realizado primeiro o teste em mulheres de uma mesma família que já têm ou já tiveram câncer”, esclarece a Dra. Angélica. Com o resultado em mãos, é o momento de uma avaliação médica cuidadosa que buscará os melhores caminhos junto à paciente por meio de uma análise dos fatores de risco de seu estilo de vida, definindo a melhor estratégia a ser trabalhada.

Novas perspectivas

Nos últimos anos, o tratamento para cânceres femininos com mutação nos genes BRCA vem ganhando novas opções para além da quimioterapia, que podem significar um grande salto no índice de sobrevivência das mulheres diagnosticadas atualmente. Os avanços das terapias-alvo estão contribuindo para uma nova tendência entre a classe médica e sociedade como um todo: o de encarar o câncer como uma doença crônica, retirando o estigma de “sentença de morte” que vem acompanhado de um diagnóstico de câncer avançado. “É imprescindível que toda mulher seja empoderada com o maior número possível de informações sobre sua doença e probabilidade de desenvolvê-la. Somente assim médico e paciente poderão desenhar a melhor estratégia de tratamento com foco no bem-estar da paciente”, finaliza a especialista.

FONTE:http://www.segs.com.br/saude/114977-cancer-de-ovario-doenca-silenciosa-e-um-dos-tipos-mais-agressivos

 
 
 
Área Restrita: ADMIN | EMAIL | INOVA | PESQUISAS | ADMIN PESQUISAS | EPA